Para que os profissionais façam parte do quadro de funcionários da empresa, é preciso que demonstrem certas competências técnicas e comportamentais, certo? Assim, é possível esperar que eles realizarão um bom trabalho no expediente e atuarão de forma alinhada à cultura empresarial.

No entanto, ainda existe muita dúvida acerca das competências técnicas e comportamentais, seus respectivos conceitos, importância e como avaliá-las nos candidatos a vagas de trabalho ou nos colaboradores que já fazem parte da empresa.

Para acabar, de uma vez por todas com as dúvidas, a Felizz preparou este conteúdo! Confira:

O que são competências técnicas e competências comportamentais?

A competência técnica tem como base o conhecimento adquirido na formação ou experiência profissional.

Portanto, pode estar associada ao conhecimento formal e acadêmico que o indivíduo conseguiu adquirir (domínio de idiomas, formação acadêmica, domínio de metodologias de trabalho, etc.). Esta pode ser obtida através da faculdade, cursos, treinamentos, palestras, congressos, livros, entre outras fontes de conhecimento.

Todavia, pode estar também atrelada às experiências profissionais e aprendizados adquiridos ao longo das rotinas de trabalho, sem a necessidade da formalização por algum tipo de diploma ou certificado.

No que se refere às competências comportamentais, elas dizem respeito ao nível de equilíbrio e adequação com que cada indivíduo interage com o meio no qual está inserido. Estão muito relacionadas, por exemplo, ao conceito de inteligência emocional.

São exemplos de competências comportamentais habilidades como proatividade, flexibilidade, criatividade, organização, comunicação, foco em resultados, planejamento, etc.

Características como essas podem vir “de berço”, mas também podem ser conquistadas por qualquer colaborador a partir do autoconhecimento, caminho que proporciona a compreensão e domínio sobre suas próprias habilidades, capacidades, oportunidades de melhoria e potencialidades.

Dá para escolher entre competências técnicas e comportamentais?

Para avaliar as competências técnicas e comportamentais, é importante entender que o mercado de trabalho é dinâmico, com constante oferta de bons profissionais, o que exige que o setor de RH busque aqueles que pretendem, de fato, se destacar, buscando diferenciais importantes para suas carreiras, seja no quesito comportamental ou técnico.

Nos processos seletivos é bastante comum que os gestores abram mão de alguma competência técnica em detrimento de um perfil com competências comportamentais bem desenvolvidas, considerando que é mais simples ensinar habilidades técnicas do que transformar as comportamentais.

O contrário também acontece: em alguns processos seletivos, recrutadores às vezes optam por candidatos que apresentam maior competência técnica, considerando que as comportamentais podem ser desenvolvidas com o passar do tempo.

A questão a ser pensada, nos dois contextos, pelo setor de RH, é: considerando-se as necessidades da empresa naquele momento, o setor e os gestores têm condições de oferecer um ambiente adequado para que o profissional consiga maximizar suas habilidades e desenvolver aquelas que precisam de melhoria?

O mais importante, nesses processos, é buscar o alinhamento dos dois tipos de competências, procurando nivelá-las no mais alto grau possível. Mas lembre-se: não há profissional perfeito ou que não possa desenvolver-se em nenhum aspecto!

Todavia, não se esqueça de que, para que o clima organizacional seja adequado para todos que fazem parte da empresa, existem algumas características comportamentais relevantes a serem levadas em consideração!

Se um profissional tem um perfil que se difere muito da cultura da empresa, o RH provavelmente terá dificuldades para lidar com essa situação. Por isso, é sempre interessante fazer uma análise e colocar na balança os seguintes questionamentos:

  • Quais as necessidades da empresa nesse momento?
  • É possível desenvolver essas competências em tempo hábil?
  • Quais os benefícios que esse colaborador traz ou pode trazer para a empresa?
  • Quais os riscos?

Portanto, com o crescimento tão acirrado do mercado, cada vez mais as organizações têm buscado diferenciais competitivos para se destacarem perante a concorrência.

Esse diferencial pode, sem dúvidas, estar nos profissionais que fazem parte da sua empresa. Nesse contexto, ter apenas um bom currículo e uma boa formação acadêmica não é suficiente, é preciso que os profissionais também desenvolvam diversas habilidades comportamentais, fundamentais para o mercado corporativo!

Quer saber mais sobre como fazer o RH ser cada vez mais estratégico dentro das empresas? Baixe aqui nosso e-book sobre as Melhores Técnicas e Tecnologias no RH!