Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Desde que se dá início à carreira profissional, grande parte das pessoas estabelece objetivos e metas que veem como importantes para que possam alcançar o sucesso na área de atuação.

Trabalhar com algo que proporcione crescimento e aprendizado, gere motivação e retorno financeiro, são fatores que estão entre as ambições dos mais diversos tipos de profissionais, não só no Brasil, mas ao redor de todo o mundo também.

Portanto, para entender como o plano de carreira pode contribuir com seus funcionários, é só continuar a leitura!

Como funciona um plano de carreira?

O plano de carreira funciona como um guia que contribui para a ascensão profissional e o sucesso do colaborador em sua área de atuação. É importante destacar que este plano de desenvolvimento profissional pode ser elaborado tanto entre o funcionário e a empresa, quanto pelo próprio colaborador.

Ao traçar o plano de carreira, o colaborador precisa ter algumas informações que apontem com clareza qual a situação profissional em que ele se encontra. A partir daí, será possível traçar e identificar quais são seus objetivos profissionais, além de ter meios para definir quais passos serão necessários para atingir o desenvolvimento de carreira de forma plena e satisfatória.

Com base nestas informações e com as metas profissionais definidas, o colaborador saberá exatamente qual caminho trilhar e o que deverá fazer para alcançar seus objetivos.

Caso o plano de carreira esteja direcionado para a empresa em que o profissional está, ele pode incluir quais são as possíveis posições e funções que se pode conseguir dentro da empresa em que trabalha.

Por que é importante fazer um plano de carreira dos funcionários?

Considerando que um dos problemas mais relevantes das empresas atuais é a alta rotatividade de funcionários (turnover), percebe-se que, hoje em dia, apenas o salário não é suficiente para que os colaboradores desejem permanecer nas organizações.

Uma série de fatores é levada em consideração pelos profissionais da atualidade: benefícios além do salário, flexibilidade, qualidade de vida proporcionada, liberdade de comunicação e de exercer criatividade, potencial de impacto para a sociedade, entre vários outros, como é o caso do plano de carreira!

Um plano de carreira para os colaboradores das empresas facilita a retenção de talentos, alinha expectativas entre gestores e funcionários e auxilia na motivação e engajamento por bons resultados.

Quando os funcionários veem, na empresa em que trabalham, a possibilidade de crescimento e ascensão profissional, eles ficam muito mais compromissados com o sucesso da organização!

Manter a rotatividade de funcionários baixa também garante economias, pois a organização não precisará gastar com admissões e demissões. Outra vantagem é que a empresa estará bem alinhada com sua equipe, uma vez que entende quais são os objetivos de cada um e saberá o que estarão dispostos a fazer o que é necessário para alcançá-los.

A elaboração do plano de carreira deve ser um processo de interação entre a empresa e os seus colaboradores, abrangendo interesses e necessidades de ambas as partes. A organização precisa expandir sua participação no mercado, vencer a concorrência, satisfazer os clientes e ampliar seus lucros. Os profissionais buscam o desenvolvimento, a valorização, a ascensão, além de bons salários e benefícios.

Mas então: como fazer o plano de carreira dos funcionários?

Assim, para definir um plano de carreira, o primeiro passo é desenhar a estrutura organizacional, considerando todos os departamentos, cargos e subordinações. Esse mapa permite uma visão completa da empresa e de suas hierarquias, evidenciando as possibilidades de trajetórias de crescimento.

Depois, é preciso detalhar cada cargo existente, descrevendo o perfil profissional exigido, formação acadêmica, conhecimentos técnicos e experiência anterior, além das responsabilidades e obrigações, construindo assim, a descrição de função.

É importante incluir todas as posições, como estagiários, auxiliares, analistas, especialistas, gestores, executivos e diretores.

Com esse detalhamento, é possível definir políticas salariais e de benefícios que valorizem o conhecimento e a educação continuada. Essas políticas devem estar atreladas a avaliações de desempenho e programas de treinamento, de modo que promoções e oportunidades de crescimento sejam definidas com coerência e transparência.

Porém, em um contexto em que as empresas vivem em constante transformação, é essencial promover revisões periódicas, evitando o engessamento e a perda de atratividade do plano.

É válido reforçar que é muito comum nas empresas que um colaborador seja contratado para uma função e, no dia a dia, ele – e a empresa – percebem que suas habilidades e competências se encaixariam em outro setor. Esse é um grande –  e recorrente – exemplo da importância da flexibilidades dos planos de carreira!

Cabe aos gestores estimular seus liderados a planejar a própria carreira através da percepção de talentos e limitações, do investimento no aperfeiçoamento e na definição de metas pessoais.

Gostou desse conteúdo? Fique de olho nas redes sociais da Felizz para ficar por dentro de todas as nossas dicas!